Restauradores terminam limpeza de Igreja da Pampulha após pichação

Igrejinha da Pampulha é limpa após pichação, em Belo Horizonte (Foto: Reprodução/TV Globo)
O restaurador Wagner Matias de Souza informou que terminou a limpeza do painel de azulejos pintado por Cândido Portinari na Igreja de São Francisco de Assis, em Belo Horizonte. A Igrejinha da Pampulha, como é conhecida, é tombada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e foi pichada no último dia 21.
Atualmente, o conjunto arquitetônico da Pampulha concorre a Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A igrejinha é um dos símbolos da capital mineira.
Painel de São Francisco, feito por Portinari, foi pichado nesta segunda-feira (Foto: Reprodução/TV Globo)

Painel de São Francisco, feito por Portinari, foi pichado no dia 21 de março (Foto: Reprodução/TV Globo)







Wagner Souza, que coordenou o trabalho de limpeza tem 25 anos de experiência com patrimônio cultural, disse que a limpeza foi concluída e, a olho nu, o painel está limpo. Mas, na próxima semana, está prevista uma "varredura" nos azulejos a ser feita com um microscópio eletrônico para verificar se não há qualquer vestígio da tinta.
Segundo o restaurador, fisicamente, é possível recuperar completamente a obra de Portinari fixada na igreja projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Mas, o ato de vandalismo pode ser considerado uma agressão "imaterial". "A obra foi agredida. É como se alguém tivesse te xingado na rua. Não machuca, mas te agride", comentou.
O trabalho foi realizado em três dias por dois restauradores.
A limpeza custou cerca de R$ 8 mil, segundo a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, responsável pela Igrejinha daPampulha.
Igrejinha da Pampulha é limpa após pichação, em Belo Horizonte (Foto: Reprodução/TV Globo)Azulejos da lateral da Igrejinha, que também foram pichados, estão limpos (Foto: Reprodução/TV Globo)
Investigação policial
Na última quarta-feira (23), o homem suspeito de pichar foi ouvido pelo Polícia em Belo Horizonte  Ele confessou ser ou autor da ação e, após prestar depoimento, foi liberado.
O suspeito, de 25 anos, disse aos policiais que queria fazer um protesto contra a tragédia em Mariana. Mas, no momento em que iria escrever a mensagem, teria sido surpreendido por pessoas que passavam na região e desistido. Ele teria alegado também que desconhecia o valor histórico e arquitetônico da construção.

O delegado Aloísio Fagundes, entretanto, afirmou que não acredita nesta versão. "Não temos nenhum registro de pichação em forma de protesto. A única mensagem que ele deixa é a assinatura, enaltecendo o ego próprio, sem nenhum cunho ideológico, político, o que seja", explica.

Além da polícia, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) também investiga o caso. Um procedimento criminal foi instaurado para apurar a autoria das pichações.
Conjunto arquitetônico
A Igreja de São Francisco de Assis faz parte do Conjunto Moderno da Pampulha, ao lado da Casa de Baile, do Iate Tênis Clube, do Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha) e da Casa Kubitscheck.
O complexo foi construído em 1943 pelo então prefeito da capital mineira Juscelino Kubitscheck. O tombamento foi feito em 1997 pelo Iphan. As edificações no estilo moderno foram projetadas pelo arquiteto Oscar Niemeyer, com paisagismo de Roberto Burle Marx, painéis de Cândido Portinari e esculturas de Alfredo Ceschiatti.
A Igreja São Francisco de Assis, também conhecida como Igreja da Pampulha, localizada nas margens da Lagoa da Pampulha em Belo Horizonte (MG) (Foto: Kadu Niemeyer e Acervo da Fundação Oscar Niemeyer)A Igreja São Francisco de Assis, também conhecida como Igreja da Pampulha, localizada à margem da Lagoa da Pampulha em Belo Horizonte (MG) (Foto: Kadu Niemeyer e Acervo da Fundação Oscar Niemeyer)
G1